Mudança de estação

Hoje saí cedo do trabalho. O principal fornecedor da fábrica atrasou as peças e a produção parou. Essa sorte dificilmente acontecia. Alguns funcionários foram liberados. Eu era um deles.


O caminho de volta para a casa parecia perfeito demais. Julho é um mês agradável em Gênova. O céu estava completamente limpo. O vento quente de verão tocando minha face. Os cães de rua fazendo a festa. As crianças brincando e os adultos sorridentes. Tudo estava mais colorido. Quem sabe o verão não seja minha estação favorita?


Cheguei no prédio. No hall fica a caixa de correios. Apartamento 704. Olhei pela fresta da gaveta. Alguém me deixou um envelope rosa claro. Estranho. Abri o bilhete.


"Querido,


Assim como você eu acreditei na vida que nos venderam quando ainda éramos crianças. Que todo caminho seria fácil e que as pessoas são boas.

Sim, eu sei que você não acredita mais nisso, que a vida congelou seu coração e que tem sido difícil encontrar ouro em meio a todo esse barro esparramado pelo mundo.


Os dias tornaram-se repetitivos, as conversas superficiais e o cansaço só aumenta. Quando escutou pela última vez o cantar dos pássaros? Quando viu o pôr-do-sol com o peito cheio de esperança? Lembra de arrepiar e chorar com alguma musica? Eu também não lembro. Não tenho vivido.


Mesmo na solidão, temos nosso espírito como companhia. As vezes fecho os olhos e respiro fundo, sentindo o oxigênio preencher cada parte do meu corpo. Tenho sede de viver, mas esperar é suicídio lento. Você não vai mudar.


Só peço uma vida de paz e, quem sabe, com um pouco de amor. Eu conheço a dor que sente. E você sabe o que acontece quando pessoas vazias ficam juntas. Elas adoecem e morrem. Adeus.


Com amor,

Lisa"


O riso começou a misturar com choro. A Lisa e eu namorávamos a quase três meses. No início era pura paixão que aos poucos foi virando amor. Mas nossas diferenças ficavam a cada dia mais aparentes. Eu prometi mudar e estava. Pensei que desse vez daria certo. Não acredito que a Lisa desistiu.


Acendi um cigarro. Dei alguns tratos sem pensar em nada. Estava tudo indo bem, mas é claro que não existem dias perfeitos. Estava bom demais para ser real. Dei um longo trago. Estava atordoado e com uma certa sensação de mal estar no peito. Meu corpo estava gelado. Voltou a ser inverno.