Quebra cabeça

Hoje eu chorei. Meu corpo estranhou a sensação. Quando foi a última vez que me vi aos prantos? Meu coração pesado pediu um tempo. Sou o responsável por criar as muralhas dessa vida amarga. Pensava que estava me protegendo. Me enganei, mais uma vez. Me tranquei, me afastei e desaprendi a viver. O pior que não sei se dá tempo de reparar os erros. Estou velho.


Durante o dia eu consigo esconder a tristeza. Mas a noite me castiga. A noite sabe invadir meu peito e revirar as lembranças. O frio dá vida ao tormento e nessas horas não existe máscara. A escuridão me coloca de frente com esse abismo interno. Ele é tão profundo que só me resta chorar.


Tenho saudades da infância onde tudo era feliz e a realidade me espreitava da esquina sem nada poder fazer. Mas tudo passou tão rápido. Em algum momento eu cruzei essa esquina e desde então sou castigado.


Já morri algumas vezes nesses anos. Talvez esse choro seja de mais uma parte que se foi. Suponho que ela não volte. Sou um quebra-cabeça em queda livre.