Tio Joe

Quando adolescente fui muito influenciado pelo meu tio Joe. Lembro das noites dentro de seu carro velho, no estacionamento do aeroporto, onde ficávamos observando os aviões. Uma época incrível que não volta mais, mas nossas conversas ainda permanecem vivas na memória.


- Olha o tamanho dessas coisas. E elas conseguem voar. - disse Joe fascinado

- Um dia irei voar, tio - respondi com inocência

- Claro que vai. Você será um grande homem - comentou me fitando com seus olhos brilhantes.

- Acredita mesmo? - indaguei.

- Por que não acreditaria? - disse sorrindo.


Pouco tempo depois ele faleceu em um acidente de carro. Foi um dos momentos mais difíceis da minha vida. A família ficou devastada. Meu tio acreditava em mim e me amava. Era como o pai que nunca tive.


Vez ou outra folheio o álbum de fotos. Ele não tinha nem trinta anos. Foi morto por um motorista bêbado que nunca foi preso. Depois desse evento parei de frequentar as missas. Não acredito que exista alguém olhando por mim, muito menos em justiça divina. Tio Joe era um bom homem.


Observo a lua cheia pela janela da sala. Será que ele está vendo o caos em que vivo? Toda criança precisa de alguém que possa protegê-la. Nunca tive isso. Sinto saudades, Tio Joe. A vida teria sido diferente com você aqui.